terça-feira, 28 de dezembro de 2010

Eu e a Chuva



"O vento parece urrar como leão ferido dentro da noite e açoita violentamente os vidros fechados da janela. Meus olhos estão hipnotizados e saboreiam cada momento dessa selvageria da natureza: a chuva!. O pensamento vai longe num outro tempo onde eu e a chuva deparávamos frente a frente corpo a corpo como num duelo onde eu sempre venci. Eu a enfrentava como inimiga que era e sussurrava para ela: " Serás minha amiga um dia, mas hoje, preciso vencer!" Ela descia pelo meu rosto misturada com as lágrimas que ninguém notava e molhava minhas roupas castigava meu corpo,mas não me derrubava. Eram tempos cruéis. Hoje consigo desejá-la como dádiva dos céus e vejo-a tocando nas plantas como mãos carinhosas escorrendo nas calçadas lavando a alma do mundo que se deita solene para saboreá-la. O meu pensamento deita ao lado do mundo e agradece a chuva por não me odiar como eu a odiei um dia."

Nenhum comentário:

Postar um comentário