quarta-feira, 23 de abril de 2014

Do cansaço recorrente e das poucas coisas de que tenho certeza, admito, assino e repito como um mantra: velha demais pra ilusões, nova demais pra desistir. O pensamento é turbulento, o coração é calejado, mas o fim da linha é um sonho alcançado e a ousadia é a força motriz, e eu sei que não teria paz um minuto sequer na vida se desistisse de acreditar e seguir assim. É assim que vai ser. Pra maldizer a distância e desmentir a rotina, a gente vai preferir o fim e o início de cada dia, assim, em par. Pra provocar o tédio, desafiar a constância, pra garantir um bom dia quando o dia seguinte chegar.



Nenhum comentário:

Postar um comentário